Londres em Detalhes – Parte 2 por Rafaela Hernandes

Segunda parte do relato de Londres, aqui você encontra:

  • Segunda vez no Big Ben e Palácio de Buckingham, passagem só para fotos.
  • Como ir ao Stonehenge sem contratar passeio.
  • Casa do Sherlock Holmes e Plataforma 9 3/4.
  • Piccadilly Circus.

Dois lugares que queria muito conhecer nos arredores de Londres eram o Stonehenge (aquelas pedras gigantes colocadas em forma de círculo) e o Castelo de Windsor. Tem muitas agências de turismo que vendem pacotes com Stonehenge + Castelo de Windsor + Bath ou Oxford todos no mesmo dia. Esses lugares são bem distantes uns dos outros e eu já imaginei que seria super corrido e não daria tempo pra ver nada direito. Por isso, escolhi fazer os dois passeios principais por conta própria em dias diferentes para ficar o tempo que eu quisesse nos lugares. Foi a melhor decisão que tomei.

Então, no segundo dia, minha missão seria ir ao Stonehenge. Mas como minhas fotos do dia anterior não tinham ficado legais, acordei bem cedinho, as 6h, e fui até Westminster tirar novas fotinhos com o Big Ben aproveitando o sol da manhã. Encontrei ali um turista (não me lembro agora de onde ele era, algum lugar do Oriente Médio talvez) e ele estava sozinho também querendo tirar fotos. Então a gente se juntou e fizemos um circuito Big Ben + Abadia de Westminster + Palácio de Buckingham passando por alguns trechos do St. James Park. Fiquei muito feliz porque o dia estava lindo e consegui ver todos esses pontos principais praticamente vazios e tirando fotos a vontade. Quando faltavam uns 10 minutos para o meu trem sair, dei um perdido no meu amigo turista e fui correndo para a estação de Waterloo. Nisso, me toquei que o pau de selfie dele tinha ficado dentro da minha mochila, mais tarde, eu iria agradecer muito por isso.

Foto mais que cliché.
O céu azul contrastando lindamente com o Big Ben <3
Palácio de Buckingham
Palácio de Buckingham

Para ir ao Stonehenge por conta fiz o seguinte: comprei passagens de trem entre Londres e Salisbury, a cidade mais próxima das pedras. Paguei incríveis 2,50 Libras pelo Megabus. Já havia comprado trechos de ônibus nos EUA por esse site e fiquei muito feliz de saber que eles vendem passagens de trem no Reino Unido e em outros países da Europa também. Mas pra pegar esses valores, é preciso ficar muito atento. Eles liberam os tickets para a venda com mais ou menos 40 dias de antecedência e os valores promocionais funcionam apenas para os primeiros compradores. Então, no meu caso, como precisava de passagens para o dia 15 de Setembro, por volta do dia 5 de Agosto eu já estava todos os dias entrando no site do Megabus para ver quando iriam liberar vendas para a data que eu precisava e assim consegui o preço promocional.

Meu trem sairia as 9h20. Para acessar a área das plataformas em Waterloo eu apenas apresentei a minha passagem (que era o e-mail impresso do Megabus) e o guarda liberou a catraca pra mim. Para descobrir qual das plataformas era a correta, fui perguntando para as pessoas e prestando atenção nas placas. A pontualidade britânica obviamente nunca falha e 9h20 o trem partiu. O trem é super confortável e espaçoso. Durante a viagem, passa uma pessoa verificando as passagens e novamente eu apresentei meu email impresso. Enquanto isso, fui apreciando a paisagem do interior da Inglaterra.

Plataforma na estação de Waterloo

Cheguei em Salisbury exatamente as 10h42. A estação é bem pequena e facilmente achei o local de onde sairia o ônibus turístico para o Stonehenge. O ticket desse ônibus eu comprei pela internet nesse site e escolhi um pacote que incluía o ônibus + ingresso para o Stonehenge + ingresso para o Old Sarum (outro sítio arqueológico da região). Esse ônibus tem horários tabelados em cada uma de suas quatro paradas (Estação de Trem, Centro de Salisbury, Stonehenge e Old Sarum) e ele é extremamente pontual. Com o ingresso em mãos, agora só é preciso ficar atento a qual horário você vai preferir pegar ele nos trajetos que você vai fazer. Os horários você também consulta no site citado acima mas nos pontos em que ele pára tem uma plaquinha indicando os horários.

Chegando ao Stonehenge, primeiro temos que passar no Centro de Visitação, um lugar que tem lojinha, banheiros e lanchonete e depois você pode escolher entre fazer uma caminhada de uns 20 minutos ou pegar uma van até as pedras. A pessoa sedentária aqui optou pela van. Eu não consigo descrever ao certo a sensação que tive quando vi o Stonehenge pela primeira vez. A princípio não tem nada demais, são umas pedras grandes colocadas em um formato esquisito mas pra mim foi uma sensação única.

Infelizmente não é mais possível passar entre as pedras por motivo de preservação, mas mesmo assim dá pra chegar muito perto e ver muitos detalhes. Mesmo com um número bem considerável de turistas, consegui tirar fotos legais sem pessoas atrapalhando. O pau de selfie ajudou muuuuuuito nessa hora, agradeci mentalmente várias vezes o amigo turista por ter esquecido aquilo comigo. Depois de uns 40 minutos observando e tirando fotos, tomei a van de volta ao Centro de Visitação, comprei algumas coisinhas e segui de volta ao ponto onde o ônibus turístico iria passar novamente dentro de alguns minutos.

Stonehenge
Stonehenge

A parada seguinte do ônibus seria no Old Sarum, que são ruínas de um castelo antigo. Infelizmente sobrou muito pouco do castelo mas achei válido a parada pela paisagem e por ver como um castelo era construído pensando sempre em suas defesas. A visita aqui foi bem mais rápida e acabei ficando esperando um bom tempo pelo próximo ônibus turístico, no entanto, mais uma vez ele é extremamente pontual.

Old Sarum
Old Sarum

Minha passagem de trem de volta era para as 16h21 e eu cheguei na estação de Salisbury faltando uns 40 minutos. Achei que escolhi muito bem os horários, foram suficientes para tudo o que eu queria fazer. No trem de volta, foi bem legal porque, nas estações seguintes, entraram muitas crianças uniformizadas que estavam saindo da escola e indo pra casa sozinhas. Conheci um pouquinho da rotina de uma típica criança inglesa.

Cheguei em Londres novamente era umas 18h. Como o dia ainda estava claro, achei que valia a pena aproveitar um pouco já que o metrô te leva facilmente pra qualquer lugar da cidade. Então, me direcionei ao endereço mais famoso da literatura internacional, o 223 B da Rua Baker. Na verdade, ali funciona um museu do Sherlock Holmes mas a entrada custava mais umas 20 Libras e eu achei que não valia a pena. Tive que esperar duas orientais tirarem fotos em todas as posições possíveis antes de conseguir tirar a minha foto mas ok. E foi ali também na Rua Baker que eu entrei pela primeira vez numa farmácia londrina e quase tive um ataque. Queria sair comprando tudo mas me controlei e levei apenas um desodorante spray por apenas 1 Libra. Aqui no Brasil custa tipo 15 Reais, até me arrependi de não ter comprado vários. Eu estava só com um desodorante rolon na mala e infelizmente não me dei bem com ele.

221 B Baker Street
Museu do Sherlock Holmes

De lá, fui pra outro lugar bem famoso da ficção que é Plataforma 9 ¾ (manjadores manjarão). Para isso, desci obviamente na estação King’s Cross, que é uma que tem metrô e trem junto. No lugar que foi colocado o carrinho atravessando a parede tinha uma fila bem considerável. Eles te dão uma varinha e um cachecol da sua escolha e tiram uma foto profissional que você pode comprar na loja bem ao lado que vende coisas do filme, mas você também pode tirar foto com a sua câmera.

Plataforma 9 3/4
Plataforma na estação de King’s Cross

Nessa fila pra tirar foto aconteceu uma das coisas mais legais que poderiam acontecer comigo em Londres: conheci uma mexicana que tinha a minha idade e que também estava viajando sozinha. Foi muito bom conhecer ela porque passamos muito tempo juntas depois disso. Saindo dali, paramos em um pub na região de Westminster (vi o Big Ben a noite, todo iluminado, muito bonito) para comer e beber e depois fomos para Piccadilly Circus que é uma espécie de Times Square londrina com menos propagandas e prédios mais baixos. Ficamos andando ali pelas redondezas durante um tempo e paramos para comer e beber num pub local. Foi muito bom passar esse tempo acompanhada com uma pessoa legal. Trocamos Facebook e nos despedimos. Voltei pro hostel já era bem tarde e apaguei.

Big Ben a noite
Piccadilly Circus
Porque toda cidade tem uma Chinatown

E continua…

One thought on “Londres em Detalhes – Parte 2 por Rafaela Hernandes”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *